14 de dez de 2009

A passagem tensa dos corpos


Ninguém vive sem um bom morto, diz o narrador desse livro. O sentimento humano, individual e coletivo, apoia-se na perda - ou na eminência dela -, e toda cidade é fundada sobre uma coleção de sacrificados da existência. É preciso, porém, afastar os cadáveres da vista, mantendo-os secretos, sepultados como matéria inerte ou memória. Sobre o chão sólido da morte enterrada, erguem-se crenças, amores e a própria civilização. (...)


O Trovão, Carlos de Brito e Mello, nasceu em Belo Horizonte, em 1974. É mestre em comunicação social, professor universitário e pesquisador. Integra o Coletivo Xepa. Publicou também o livro de contos O Cadáver ri dos seus despojos (Scriptum, 2007).

Nenhum comentário: